VII Olimpíadas Nacionais da Filosofia

Nos dias 13 e 14 de abril, em Alcácer do Sal, realizaram-se as VII Olimpíadas Nacionais da Filosofia. Este evento, organizado pela Prosofos, Associação para a Promoção da Filosofia, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, pretende ser um espaço e um tempo de autêntica liberdade, em que os alunos possam exercer plenamente o seu direito à filosofia e ao filosofar. Um evento fundamental para a formação de espíritos livres e reflexivos, capazes de assumirem uma atitude crítica e responsável perante as grandes interrogações da contemporaneidade.

Este ano, o evento contou com a presença do secretário de estado da educação, Dr. João Costa, que salientou a importância desta iniciativa e a necessidade urgente do desenvolvimento do espírito crítico e da importância de saber pensar.

As alunas Beatriz Jesus e Inês Albuquerque representaram o Colégio Guadalupe, numa iniciativa que juntou 80 alunos de 40 escolas de todo o país. A Inês Albuquerque conseguiu, nesta que foi a sua primeira participação, classificar-se entre os 10 melhores ensaios filosóficos, no melhor dos mundos possíveis.

«Olimpíadas da Filosofia! Como explicar a sensação que é estar rodeada de pessoas que fazem do ato de pensar uma forma de ser, que debatem pelo prazer de argumentar e que não receiam mudar de opinião, se for o caso? Dois dias maravilhosos de partilha e aprendizagem cheios de risos e de conversas profundas. Um grupo de jovens capazes de discutir tanto o estado do mundo como o mais recente filme de super-heróis e a relação entre eles. As ONF, em poucas palavras, são o sonho de qualquer jovem que queira fazer a diferença. Apesar de ter sido o meu primeiro ano, tenho a certeza que, se puder, estarei lá no próximo. Nas ONF, e citando o filósofo Immanuel Kant, não aprendereis filosofia, mas antes a filosofar, não aprendereis pensamentos para repetir, mas antes como pensar.», Inês Albuquerque.

«Foi a terceira (e, infelizmente, a última) vez que participei neste espetacular projeto, que reúne jovens extraordinários de várias escolas do país. Tal como Sartre afirmou, “O homem não é a soma do que tem, mas a totalidade do que ainda não tem, do que poderia ter.” É fundamental duvidar, questionar, pensar acerca daquilo que os outros assumem, de forma simplista, como absolutamente verdadeiro, como um dogma. Durante dois dias, foi exatamente isso que aconteceu, mediante a partilha de saberes e ideias merecedoras de crédito, algo que promoveu a adoção de uma postura em relação à vida cada vez mais despojada de preconceitos. É verdadeiramente fascinante contactar com seres dotados de visões únicas, sobre as quais nunca antes tínhamos refletido, e as ONF representam a oportunidade perfeita para o fazer. Fernando Pessoa diz-nos que “Tudo vale a pena, se a alma não é pequena” e, no seio de um ambiente em que o entusiasmo é uma constante, um grupo de jovens bastante promissores corroborou, uma vez mais, esta máxima

.» Beatriz Jesus