Podem haver guerras justas?

Desde 2002, a UNESCO instituiu a 3ª quinta-feira do mês de novembro para assinalar a importância da Filosofia. Esta data foi fixada com o objetivo de destacar a importância da Filosofia na estimulação do pensamento crítico e independente, assim como de salientar o seu contributo para uma melhor compreensão do mundo, promovendo a reflexão filosófica sobre os enigmas do universo e da vida humana, criando entendimentos entre os seres humanos.

Neste dia, convidámos o Dr. Luís Veríssimo para uma palestra subordinada ao tema: Podem haver guerras justas?

Aqui ficam os testemunhos de alguns dos nossos alunos que participaram nesta atividade.

 «Considerei a palestra muito educativa e interessante. O problema filosófico discutido foi: Podem haver Guerras Justas? Neste debate foram expressos e discutidos diversos pontos de vista. Assim, considero que esta foi uma experiência muito vantajosa, visto que pudemos pôr em prática os conteúdos aprendidos na disciplina de filosofia e viver um verdadeiro debate filosófico.» Inês Fonseca, 10ºB.

«No Dia Mundial da Filosofia, vários alunos de filosofia tentaram encontrar uma resposta à questão Podem haver Guerras Justas? Na minha opinião, o tema desenvolvido pelo Dr. Luís Veríssimo foi bastante interessante. O Dr. Luís Veríssimo conseguiu fazer com que a discussão envolvesse todos os participantes, de uma forma muito dinâmica. Do meu ponto de vista, não podem existir guerras justas pelo simples facto da atual definição de “guerra” não ser compatível com o conceito de “justiça”. Uma guerra é um conflito armado que, de uma maneira ou outra, implica a perda de vidas humanas. Ora, o ato de matar, voluntariamente, opõe-se por completo à “justiça” que conhecemos hoje. Talvez se fosse possível encontrar uma outra noção de guerra que evitasse a morte, aí sim, podê-lo-íamos associar a “justiça”.» Diogo Rio, 10ºB

«Vivemos num mundo cada vez mais apologista da formatação dos jovens, o que não é de todo saudável. São disciplinas como a Filosofia, transversais a todas as áreas do conhecimento, que fomentam o desenvolvimento do nosso espírito crítico e da nossa capacidade de estabelecer diálogos e discussões com os demais, alterando-se assim, gradualmente, este perigoso rumo. São momentos como o que passámos com o Dr. Luís Veríssimo que nos impelem a pensar para além do óbvio e a questionar convicções pré-definidas, que considerávamos absolutas, permitindo-nos adotar uma atitude filosófica interventiva – tivemos a oportunidade de explorar os vários pontos de vista associados à questão Podem haver guerras justas? Este tipo de experiências afiguram-se verdadeiramente extraordinárias, dado que nos fornecem novas ferramentas e ideias, perfeitamente capazes de nos estimular, ao ponto de nos tornarmos pessoas que marcam pela capacidade de pensar por si mesmas.», Beatriz Jesus, 12ºA;

«Gostei muito da palestra, pois o tema escolhido era muito interessante e acho que devia ser uma atividade a repetir. O Dr. Luís Veríssimo conseguiu facilmente despertar em nós o interesse sobre o problema filosófico em análise. A forma como apresentou o tema foi bastante interessante, pois promoveu o diálogo, a partilha de pontos de vista e a reflexão dos presentes sobre o tema. (…) Gostaria que o debate se tivesse prolongado muito mais, pois senti que muito havia ainda a ser discutido.» Tânia Matias, 10ºB